CRISTO E A SURF ARTE

19.7.16


Há algum tempo publiquei um post no blog que falava sobre o espaço que as manifestações artísticas deveriam ocupar dentro das igrejas como meio para pregar o evangelho e alcançar grupos que dificilmente seriam alcançados de formas mais convencionais. Graças à Deus a visão da igreja sobre o papel da arte no meio cristão vem mudando, principalmente no trabalho com jovens, onde tem sido possível usar filmes e séries, músicas e tantos outros recursos visuais e criativos para pregar sem que te julguem por isso. 

Um dos artistas que consegue extrair o melhor da natureza em seu trabalho e manifestar a criatividade dada por Deus é o curitibano Tom Veiga. Tom passou um bom tempo trabalhando em agências de publicidade em Curitiba, mas buscava um lugar para se refugiar do estresse diário. Encontrou esse lugar nos desenhos que fazia como hobby, das ondas que ele via se quebrando no mar. Foi aí que nasceu sua arte baseada em curvas e cores. Mas, não pensem que foi algo que surgiu do dia para a noite. Na verdade, foram vários anos se desenvolvendo e aperfeiçoando técnicas até chegar na linguagem de hoje, com um estilo bem brasileiro e também teve o seu aprendizado e crescimento com Deus. Tom conta que “hoje muitos podem me ver como uma pessoa estruturada, uma pessoa que tem um bom casamento, uma mulher de Deus na minha vida, filhos abençoadíssimos, meu trabalho bombando, mas tudo isso é fruto da minha escolha lá de trás. Se não fosse Deus mover no meio da dificuldade, se não fosse eu buscar a Deus no pior momento da minha vida, a minha vida não tinha mudado. E hoje, o trabalho é legal, as coisas são legais, mas isso não é o que me traz felicidade, por que como Deus me falou lá atrás que a principal coisa que eu precisava ter era ele, hoje eu não dependo de nada pra ser feliz, porque o meu relacionamento com Deus me dá alegria”.



Hoje Veiga tem seu trabalho reproduzido em mais de 35 países. Marcas como Billabong, Reef, Globe e Mormaii já estamparam suas pinturas em diversos produtos.

Além dos pontos turísticos do nosso país, como o O Corcovado, o Pão de Açúcar  e a Ópera de Arame da sua cidade natal, Tom também já retratou os principais picos de surf no mundo: Pipeline, Haleiwa, Trestles, Nias, Jaws, Mavericks, Teahupoo, Mundaka, Maresias, Bells Beach.

A arte de Tom ultrapassou as fronteiras do mundo do surf e chegou até ao mundo da música.  Os cantores gospel André Valadão e Rodolfo Abrantes já escolheram Veiga para estampar seus cds.

Deus coloca a criatividade em nós, assim como qualquer outra coisa com um propósito a fim de não ser desperdiçado e convivendo com diversos artistas, Tom entende onde Deus o queria colocar e a quem Ele queria alcançar através de sua arte, se tornando testemunha para artistas que  buscavam nas drogas, a inspiração:

“Pra você ser um artista bem sucedido, pra você ter um trabalho único, pra você ter o seu trabalho vinculado a vários projetos legais, você não precisa ter uma vida louca, uma vida desregrada. Os meus princípios estão em Deus. O meu processo criativo vem do Autor da criatividade e o meu trabalho é simplesmente buscar da Fonte da criatividade, de estar em comunhão com Ele.(...) A coisa é tão louca que um cara que não surfa, não mora na praia, queria ser jogador de futebol e hoje é um artista de ondas. Assim é Deus. Os sonhos de Deus são maiores, melhores e mais altos  do que você pode imaginar.” 

O sol, as cores vibrantes, o mar, a alegria do povo brasileiro, são elementos sempre presentes. Talvez esse seja o segredo do sucesso de Tom, a sua ‘brasilidade’ e não há dúvidas que seu trabalho será evidenciado pelos próximos dias , afinal em ano de Olimpíadas, o Brasil nunca esteve tão em alta.








*Trechos desse post, eu escrevi originalmente para o blog Design Culture, que você pode ler nesse link aqui: http://www.designculture.com.br/as-cores-do-surf

0 comentários